luz, luz, mais luz.

eu gosto de acender o seu cigarro
enquanto você guia pelas ruas
inóspitas, tão sujas e tão duras
tornamo-nos apenas o seu carro

e nessa segurança em que me agarro
observo as suas coxas, vejo-as nuas
rezando, para o amor, u’a prece ou duas
um ídolo com pés de ferro e barro

percebo a finitude em minha pele
eu sinto meu estômago apertando
pressinto e sei que tudo à vida é breve

viver é submeter-me a tal desmando
portanto, seu momento se congele
nos versos que eu agora estou grafando.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: