meu ódio é o que melhor existe em mim
desisto que me entendas, sei que tu
nasceste em outras plagas, não és cru
regala-te, meu doce querubim

se tens lugar na torre de marfim
erguida por teus pares sob o azul
viver ao meu inferno em peito nu
se faz minha razão: é fulcro, fim

observo em meu espelho o meu semblante
cansado e aviltado e sujo e tosco
se fui eu diferente, estou distante

restaram amarguras, olhar fosco
jamais que entenderás, nobre galante
àquele que carrega a dor no rosto.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: