Archive for fevereiro \24\UTC 2010

fevereiro 24, 2010

um animal (dos perigosos?) vai
bem lentamente, vai, espreita, ‘ganha’
ele é um merda, um idiota, cai
em armadilhas, cai em toda manha

sim, viverá pouco, jamais um ‘ai’
alguém dará por ele, vive? apanha
mas inda assim, dele eu não sou o pai
e por demais também se teve escolha

ser verme podre, sujo pelo mundo
mas chapadão se acha foda e jóia?
perecerá devido ao vício imundo!

na falsidade sempre vai, se apóia
pois queimará pra sempre lá, profundo
abismo e inferno de existir: ser nóia.

fevereiro 9, 2010

you always play a role, the lunatic
because on this you find some kind of beauty
to hide yourself pretend’ to be a freak
and being a puppet dirty and sad and silly
I cannot understand’a such a dick
an ass so proud, so over all the duty
but now you’re feeling really, really sick
you gonna pray the lord, our god almighty
control, you lose it, now you have no trick
for feeling famous fear feeling filthy
and now you will find the place you always seek
a place so deep inside, in heart a frailty
a heavy cross to carry: schizofrenia
forever under the sign of lady ophelia.

[obrigado, lívia, sem vc esse soneto não teria sido possível.)

fevereiro 2, 2010

se é homem, quando é mau é um facínora
explícito, em geral não dissimula
alguns o fazem, claro, na política…
mas nunca escondem bem as suas gulas

mulher, quando ruim, quando uma víbora
ninguém, nem o mais sábio o especula
descobre quando é tarde, quando é crítico
o estado: é má e tudo ela macula

macula sem você nem perceber
aquilo que você tem por sagrado
o faz, inexorável, perecer

até secar, você será sangrado
e por saber, eu dou meu parecer
prefira a uma delas o diabo.

fevereiro 1, 2010

motor, de boa, sério mesmo, irmão
tem como descolar uma carona?
não tenho mais dinheiro, pô, perdão
e a chuva já molhou minha japona

brigado… mas que tempo ruim do cão!
molha tudo, resfria e te detona
eu vim parar aqui por um cuzão
do tipo que deixou a mãe na zona

agora era pra nós voltar de carro
mas ele me deixou na mão, a mula
andando e com sapato que é só barro

na próxima eu que digo ‘não me inclua’
não sou pra ser tratado feito escarro
valeu, motor, chegamos na mi’a rua.